domingo, 30 de outubro de 2011

Venezuela: 1er Encuentro Nacional de Anarquistas Revolucionarios



Thursday October 27, 2011
 by Federación Anarquista Revolucionaria de Venezuela - FARV
 farv.periodicorojoynegro@gmail.com

La Federación Anarquista Revolucionaria de Venezuela (FARV) invita a todos los colectivos e individuales a nivel nacional, al primer video foro y debate público para la conformación de las seccionales en todo el territorio nacional que se estará llevando a cabo el día domingo 30 de octubre 2011 a partir de las 11 de la mañana en el Ateneo de la Ciudad de Valencia, Estado Carabobo; con la participación de todos los miembros de la FARV (Caracas, Barquisimeto, Valencia) y demás invitados especiales.
bandera_anarquista.jpg
Actividades a realizar:


1. Palabras de apertura - Presentación de miembros FARV – Lectura del primer manifiesto FARV.
2. Breve introducción al documental – Proyección de documental (Vivir la Utopía)
3. Conversatorio y debate - Lectura de materiales varios.
4. Bautizo de la primera edición del periódico “Rojo y Negro”
5. Recolección de datos para el contacto de los compañeros que decidan sumarse a la lucha.
6. Reparto de material gratuito.
7. Palabras de cierre.


Si piensas que anarquismo es igual a caos y desorden, pero te consideras revolucionario, te invitamos a debatir.


Si eres de los que no consiguen un espacio para la lucha, para aportar tus ideas y tu conocimiento por una revolución social de base y verdadera, si consideras que el anarquismo es tu vía, pero aun no conoces personas afines para debatir y aportar, esta es tu oportunidad de expresarte y de sumarte a una lucha real.


Domingo 30 de octubre 2011 – 11am – Ateneo de Valencia, Estado Carabobo (Av. Bolívar Norte a 2 cuadras de la Estación Cedeño del metro de Valencia)


¡Asiste!

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Zulia: Notas sobre el reformismo en la UBV, sus defensores y sus falsos críticos


Por Movimiento 10 de mayo

Ni lo uno ni lo otro, sino todo lo contrario:

Notas sobre el reformismo en la UBV, sus defensores y sus falsos críticos.

Desde el inicio de la toma, han existido posiciones ambiguas que adhiriéndose a nuestras demandas, se han mostrado contrarios a la forma, nos han acusado de tener intereses ocultos, de ser poco democrático… detrás de dichas criticas lo único que hay es su interés en que la toma finalice, no para que nuestra universidad retome la senda revolucionaria, de la que ellos mismos la han alejado, sino para salvar sus salarios, posiciones sociales, privilegios.
Intentan utilizar un lenguaje reivindicativo «decimos intentan, pues es imposible a estas alturas ocultar sus pocisiones reaccionarias» para imponer la simple reforma de nuestra universidad.  Aunque a lo largo de esta toma, en ocasiones la lucha ha tenido un carácter reivindicativo «que se ha visto superado por la necesidad de transformar la UBV, y la consiguiente definición de las distintas fuerzas que participan en esta confrontación» esto no quiere decir que debamos aceptar sus propuestas fascistas.

Más de alguien se preguntará ¿no es lo mismo reivindicación que reforma? Les responderemos: la reivindicación es siempre ex­presión de lo que el explotado/oprimido necesita; puede tener distintas formas pero la relación de fuerza existe siempre y la reivindicación siempre expresa una necesidad.


Ahora, la reforma es siempre la modificación de algo para que todo quede como está, es por defi­nición la reforma de la explotación y la dominación para que la misma no sea cuestionada. Es reforma el más certero mecanismo de contención de la fuerza social. Y es la reforma la que defienden los “indecisos” o “confundidos”.

Reformistas son los que tienen propuestas tales como:

Apoyamos la toma, pero queremos clase. Esa no es la forma de resolver el problema
«ni lo uno ni lo otro, sino todo lo contrario. Frase célebre que evoca el bouquet de los socialdemócratas que hablan de consenso, policlasismo, colaboracionismo, en síntesis los deshonestos y traidores a su propia clase social que pretenden convencer a los demás de su profunda racionalidad y pacifismo»

Hagamos un diagnostico participativo «como si no supiéramos las condiciones en las que subsistimos»

Hay que  tomar como centro de nuestra praxis proyecto «cuando es precisamente su praxis clientelar y corrupta, que se extrapola incluso a proyecto, la que se cuestiona»
Dichas propuestas pueden significar algunas ventajas o desventajas parciales, al corto y mediano plazo, pero nada más que eso: en cualquiera de las opciones que nos ofrecen seguiremos siendo meros reproductores de la universidad que deseamos transformar.

Utilizar el edificio sede  únicamente como edificio administrativo,
Es un hecho que entre reformistas haya diferencias, bandos contrarios e incluso retóricamente antagónicos. Esto no refleja más que el funcionamiento mismo de la sociedad capitalista a un nivel elemental, que no es más que la disputa entre los diferentes elementos que ejercen o aspiran a ejercer el dominio del capital y el sometimiento del proletariado. Esto es lo que le da sentido al sistema capitalista como un todo, es la contraposición entre intereses separados lo que fundamenta las relaciones de explotación-dominación y constituyen la hegemonía. El hecho de que los enemigos estén divididos en grupos rivales no representa ninguna “oportunidad” para los que luchan por una educación digna y de calidad. Muy por el contrario, la lucha entre los elementos burgueses (o más bien oligarquías) o que intentan serlo (pequeña burguesía), es lo que ha permitido que este conjunto, acompañado por sus esbirros-reformistas-fascistas, como poder constituido pretenda someter al pueblo, al estudiantado, como poder constituyente.

Queda do ministro serve de alerta

Por Altamiro Borges (Do blog do Miro, aqui)
O lamentável episódio da queda do ministro Orlando Silva deveria servir de alerta às forças democráticas da sociedade brasileira – que lutaram contra as torturas e assassinatos na ditadura militar e que, hoje, precisam encarar como estratégica a luta contra a ditadura midiática, em defesa da verdadeira liberdade de expressão e da efetiva ampliação da democracia no Brasil.
A mídia hegemônica hoje tem um poder tão descomunal que ela “investiga”, sempre de forma seletiva (blindando seus capachos); tortura (seviciando, inclusive, as famílias das vítimas); usa testemunhas “bandidas” (como um policial preso por corrupção, enriquecimento ilícito e suspeito de assassinato); julga (sem dar espaço aos “acusados”); condena (como nos tribunais nazistas); e fuzila!

Um pragmatismo covarde e suicida
Ninguém está imune ao poder ditatorial da mídia, controlada por sete famílias – Marinho (Globo), Macedo (Record), Saad (Band), Abravanel (SBT), Civita (Abril), Frias (Folha) e Mesquita (Estadão). Como o império Murdoch, hoje investigado por seus subornos e escutas ilegais, a mídia nativa é criminosa, mafiosa, sádica e abjeta. Ela manipula informações e deforma comportamentos.
Não dá mais para aceitar passivamente seu poder altamente concentrado, que, como disse o governador Tarso Genro – pena que não tenha agido com esta visão quando ministro da Justiça –, ruma para um “fascismo pós-moderno”. Essa ditadura amedronta e acovarda políticos sem vértebra, pauta a agenda política, difunde os dogmas do “deus-mercado” e criminaliza as lutas sociais.
Três desafios diante da ditadura midiática
Esta ditadura é cruel, sem qualquer escrúpulo ou compaixão. Ela utiliza seus jagunços bem pagos, sob o invólucro de “colunista” e “comentaristas”, para fazer o trabalho sujo. Muitos são agentes do “deus-mercado”, lucram com seus negócios rentistas; outros são adeptos da “massa cheirosa”, das elites arrogantes e burras. Eles fingem ser “neutros”, mas são adoradores da direita fascistóide.
Enquanto não se enfrentar esta ditadura midiática, não haverá avanços na democracia brasileira, na luta dos trabalhadores ou na superação das barbáries capitalistas. Neste enfrentamento, três desafios estão colocados:
1- Não ter qualquer ilusão com a mídia hegemônica; chega de babaquice e servilismo diante da chamada “grande imprensa”;
2- Investir em instrumentos próprios de comunicação. A luta de idéias não é “gasto”, é investimento estratégico;
3- Lutar pela regulação da mídia e por políticas públicas na comunicação, que coíbam o poder fascista do império midiático.
Chega de covardia diante dos fascistas midiáticos
O criminoso episódio da tentativa de invasão do apartamento do ex-ministro José Dirceu num hotel em Brasília parece que serviu de sinal de alerta ao PT. Em seu encontro nacional, o partido aprovou a urgência de um novo marco regulatório da comunicação. Um seminário está previsto para final de novembro. Já no caso da queda Orlando Silva, o clima é de total indignação e revolta.
Que estes trágicos casos sirvam para mostrar que, de fato, a luta pela democratização da comunicação é uma questão estratégica. Não dá mais para se acovardar diante da ditadura da mídia. O governo Dilma precisa ficar esperto. Hoje são ministros depostos; amanhã será o sangramento e a derrota da própria presidenta e do seu projeto, moderado, de mudanças no Brasil.
Superar a choradeira e a defensiva
A esquerda política e social precisa rapidamente definir um plano de ação unitário de enfrentamento à ditadura midiática. As centrais sindicais e os movimentos populares, tão criminalizados em suas lutas, precisam sair da defensiva e da choradeira. Os partidos progressistas também precisam superar seu pragmatismo acovardado. A conjuntura exige respostas altivas e corajosas!
É urgente pressionar o governo Dilma Rousseff, pautado e refém da mídia, a mudar de atitude. Do contrário, não sobrará que defenda a continuidade deste projeto, moderado, de mudanças no Brasil. A direita retornará ao poder, alavancada pela mídia! Aécio Neves, o chefe de censura em Minas Gerais, será presidente! E ACM Neto, o herói da degola de Orlando Silva, será o chefe da Casa Civil!

FORTALEZA MILITAR

sábado, 22 de outubro de 2011

Entrevista a Boaventura de Sousa Santos

Fonte: http://www.alainet.org/active/50095&lang=es

Economía verde: la conciencia máxima del capitalismo

Osvaldo León

Teniendo de por medio la crisis financiara, “que de alguna manera está ocultando todas las otras crisis” (económica, energética, ambiental, histórica, alimentaria, etc.), no es muy grande el margen de maniobra para avanzar en la formulación de alternativas en el marco de Río+20, la Conferencia de Naciones Unidas sobre el Desarrollo Sustentable, sostiene el sociólogo Boaventura de Sousa Santos, Director del Centro de Estudios Sociales, Facultad de Economía, de la Universidad de Coimbra, Portugal, con quien entablamos el diálogo que sigue a continuación.

- Con las crisis de por medio, en las instancias oficiales cada vez más se habla de “economía verde” como nueva tabla de salvación. ¿Cuál es tu criterio?

Economía verde va a ser el tema que va a dominar Río+20, es la conciencia máxima del capitalismo. El capitalismo tiene que encontrar una manera de entender la crisis ecológica, la crisis ambiental, la crisis energética, la crisis alimentaria, pero la ve siempre desde un punto de vista de ganancias porque el capitalismo es amoral, no tiene una concepción de dignidad humana, y mucho menos una concepción de Pachamama. Entonces siempre mira los problemas para encontrar formas de acumulación, de rentabilidad que sean viables. Economía verde o capitalismo verde es transformar la crisis ecológica y ambiental en un recurso de acumulación, creando además de los mercados de carbono, todos los servicios ambientales que son una rama nueva de industrialización, y busca hacerlo de una manera que parezca sustentable. La economía verde es el seguimiento natural de las teorías del desarrollo sustentable.

Sin embargo, nosotros hemos llegado a la conclusión, hace mucho tiempo, que el desarrollo como lo entienden no es sostenible o sustentable, y la sustentabilidad exige no un desarrollo alternativo sino más bien una alternativa al desarrollo, otras formas de ver. Esas alternativas pasan por otras concepciones que no son las concepciones capitalistas. Solamente hay una alternativa al desarrollo en un horizonte postcapitalista donde los valores de uso, por ejemplo, vuelvan a tener alguna prioridad sobre los valores de cambio. Esto no es lo que pasa con la economía verde. Al contrario, los documentos que están en preparación en las Naciones Unidas para esta reunión de Río, son básicamente eso que llamo lo máximo de conciencia posible, no pueden ir más allá de eso, sobre todo porque ocurre en el marco de una crisis financiera que de alguna manera está ocultando todas las otras crisis.

Hace dos años, en Copenhague y después en Cancún, estábamos hablando sobre varias dimensiones de crisis financiera, económica, energética, ambiental, histórica, alimentaria, etc. pero repentinamente todas estas crisis desaparecen y solamente se habla de la crisis financiera. La crisis financiera, dicen, se resuelve con crecimiento y empleo. Entonces de nuevo es la conciencia máxima: el empleo y crecimiento. Pero al mismo tiempo las Naciones Unidas nos dicen que si seguimos con este modelo de crecimiento y de desarrollo, en2015 el calentamiento global será irreversible y habrá cambios ambientales que ya se notan en el mundo. Entonces, ¿qué hacer dentro de este marco? Dentro de este marco realmente no me parece que haya una solución. Pienso que el neoliberalismo ahora en su dimensión financiera muy fuerte, a través de esta crisis financiera totalmente producida por la especulación financiera mundial, producto de la no regulación de los mercados financieros, ha buscado destruir todas las fuerzas de resistencia al capitalismo u obligarlas a un retroceso. Lo vemos de múltiples formas, por ejemplo los movimientos sociales que fueron muy fuertes en la primera década, como el movimiento ambiental, están calladitos.

- ¿Se trataría de un fenómeno de disciplinamiento en torno a la gestión de la crisis, más que la búsqueda de nuevos paradigmas?

Yo pienso que no es búsqueda de nuevos paradigmas, básicamente se está disciplinando, limitando las posibilidades de los movimientos. Esto toma dos dimensiones, por un lado, es un disciplinamiento de los pueblos y movimientos, y por otro, disciplinamiento de los Estados quebusquen nuevos paradigmas. En la nueva fase del neoliberalismo los Estados están al servicio del capital, pero tienen que estar todavía más de lo que estaban hasta ahora. El Estado siempre lo concebimos como un campo de lucha, el Estado sin dejar de ser un Estado capitalista, es hoy un Estado muy contradictorio porque tiene en su seno las contradicciones de las luchas sociales de más de un siglo, digamos luchas obreras, luchas campesinas, luchas indígenas, luchas de mujeres que obtuvieron del Estado los derechos sociales, los derechos económicos, los derechos culturales. El Estado es hoy más contradictorio de lo que era al inicio del siglo XX. Lo que está pasando es que el capitalismo quiere que el Estado deje de ser esa contradicción para estar totalmente al servicio del capital financiero. Es por eso que ahora los mercados te dicen que tienes que cambiar la Constitución en España, para que el máximo de déficit presupuestal esté determinado y definido por la Constitución. No es una demanda de la sociedad, no es una demanda de las fuerzas ni de derecha ni de izquierda, es una demanda de los llamados mercados financieros.

Estamos hablando de una entidad que no existe pero que es omnipresente, es un poco como Dios, las bolsas están alrededor del mundo siempre activas, y cuando te despiertas tienes una crisis en tu país que no es producida por una crisis económica, que no es producida por una crisis de huelgas, que no es producida por un desastre climático, es producida por los mercados financieros que durante la noche decidieron atacar tu economía, especular sobre tu deuda. Parecía que los países pequeños eran los más vulnerables con la especulación como Grecia, Portugal e Irlanda, pero ahora está en pleno en España y en Italia, y mañana estará en Francia donde ya empezó también, y llegará a Alemania. Habrá un momento en que los capitales financieros tendrán que ser regulados, porque fueron ellos los que produjeron la crisis, desde el subprime, son ellos que lo produjeron, y su poder es tanto en este momento que son ellos quienes están “resolviendo” la crisis, y obviamente no la resuelven.

Tenemos cosas que nosotros no imaginamos que fueran posibles al inicio del siglo XXI como el socialismo de los ricos. Después de muchas décadas los ricos vienen a decir por favor queremos pagar más impuestos, queremos contribuir para la solución de la crisis. Esto es dramático, en el sentido de que por un lado demuestra el fracaso total de las fuerzas políticas de la centro-izquierda, de la socialdemocracia europea y mundial, y por otro lado muestra una vez más que la filantropía capitalista es puro egoísmo. Estos súper ricos no quieren tributar para ayudar el país, están con miedo que la crisis sea tan profunda que su riqueza pueda estar en riesgo, entonces es mejor pagar un poquito más de impuesto, antes que perder mucho más con una crisis profunda .

- Con todo esto, ¿cuál es el margen de maniobra para avanzar en la formulación de alternativas en el marco de Río+20, tanto en los espacios de sociedad civil como los oficiales?

El margen de maniobra no es muy grande, se ha reducido con la crisis financiera. Pienso que la crisis financiera está siendo producida para reducir ese margen de maniobra que es el otro lado de la misma cosa que hablamos antes, disciplinamiento de los pueblos y los Estados. Yo pienso que todavía lo que hoy es nuevo y no se puede perder, es que hay las energías nuevas, que ocurren tanto a nivel económico como ideológico. Tenemos hoy conceptos, ideas que no teníamos hace 10 años y que no se pueden desperdiciar como el concepto del Buen Vivir, el concepto del Sumak Kawsay, el concepto de Pachamama, de derechos de la naturaleza, también la legalización de tierras comunales originarias, sobre todo en Bolivia, algunas en Brasil y otros países. La idea de que la propiedad no es solamente la propiedad estatal o individual capitalista sino también otras formas de propiedad es una novedad grande que está en las constituciones de Bolivia y Ecuador, o sea la propiedad comunal, propiedad privada, propiedad asociativa, propiedad cooperativa, y todas estas formas de propiedad hay que tratar de protegerlas en la práctica. En Bolivia está la idea de que tenemos tres formas de democracia, la representativa, la participativa y la comunitaria, que tienen sus propias lógicas y se deben coordinar. Tenemos instrumentos nuevos para un combate ideológico.

Vemos que se pueden realizar alianzas grandes entre lo que parece ser ancestral-moderno y lo que es moderno-moderno, digamos así. Todos los problemas que tenemos hoy de movimientos ambientalistas, de ecología política, el Buen Vivir. No es lo mismo que decrecimiento como hoy algunos defienden en Europa, es otra cosa, es la generación de riqueza sin destruir riqueza, es un concepto distinto. Estamos en condiciones de tener instrumentos que nos pueden ayudar a encontrar un camino. Tenemos algunos instrumentos ideológicos, políticos, ideas, conceptos, ahora esto no es suficiente porque tienes que tener sujetos históricos sociales, a nivel de la sociedad movimientos sociales y también estructuras políticas y nuevas formas de planificación y de gestión públicas. Aquí es donde está la dificultad en este momento.

- ¿Esos conceptos en la implementación de políticas, mecanismos económicos, todavía se quedan cortos?

Muy cortos, pero es el vértigo. Después de dos o tres siglos, por lo menos, de la idea de que el desarrollo es infinito y de que la naturaleza es un recurso absolutamente inagotable, tú no puedes en una década cambiar todo. Es muy importante, por ejemplo en Ecuador, que se tome en serio la idea de los indicadores del Buen Vivir, y es un debate en el que estoy participando. Un indicador realista que podamos analizar, quizá cuantificar, es una novedad. Realmente no es mucho, es muy abstracto, por ejemplo es difícil encontrar en este momento el marco administrativo de un estado plurinacional. Se requiere otra lógica. Tomemos un ejemplo, la creación de un tribunal constitucional plurinacional. Esto obliga a llevar a la corte constitucional jueces del conocimiento indígena, de la justicia propia de los indígenas. Esto es un cambio brutal para quien piensa en el juez piensa en alguien formado en la facultad de derecho con el derecho positivista eurocéntrico.

De hecho, históricamente el problema de las transiciones es que nosotros no tenemos paciencia porque nuestra vida es corta, la sociedad tiene una vida un poco más larga. Lo que me preocupa en este momento es que tenemos los instrumentos teóricos conceptuales, con sus dificultades, pero nos faltan las fuerzas sociales.

Se está haciendo un esfuerzo grande en este continente para debilitar las fuerzas sociales de izquierda, progresistas. Para mí, no es teoría de conspiración, lo que está cambiando esta década es que los Estados Unidos regresaron al continente, volvieron a su backyard. Se habían olvidado de América Latina en la primera década porque estaban en el Medio Oriente pero regresaron al continente. Un regreso además que parecía ser el regreso tradicional; o sea, en Honduras obviamente apoyó al golpe, después las siete bases de Colombia. Pero hay cosas nuevas (y no tan nuevas), se llama desarrollo local. Son proyectos a nivel de las comunidades que financian todo. En el pueblo más remoto de estos países hay un proyecto de USAID. Esos proyectos no son ingenuos, son proyectos que tienen plata para cierto tipo de cosas, por ejemplo trabajo con líderes, líderes indígenas, quienes entrenados en este marco hostilizan a gobiernos progresistas porque estos gobiernos no son de confianza. Lo mismo ocurre cuando las izquierdas se enfrentan en estos países y dicen que la otra facción de la izquierda es derecha o hace el juego a la derecha. Pero la derecha nunca confía en esos grupos, la derecha solo quiere lo suyo. Por eso cuando llegó al poder Lula, que hizo todo lo que se pueda imaginar para favorecer al capitalismo brasilero, nunca fue un hombre de confianza de la burguesía brasileña o de la burguesía transnacional.
Publicado en América Latina en Movimiento, No. 468-9: http://alainet.org/publica/468-9.phtml

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Zizek: o casamento entre democracia e capitalismo acabou

Zizek: o casamento entre democracia e capitalismo acabou

14.10.2011 - filósofo e escritor esloveno Slavoj Zizek visitou a acampamento do movimento Ocupar Wall Street, no parque Zuccotti, em Nova York e falou aos manifestantes. “Estamos testemunhando como o sistema está se autodestruindo. "Quando criticarem o capitalismo, não se deixem chantagear pelos que vos acusam de ser contra a democracia. O casamento entre a democracia e o capitalismo acabou". Leia a íntegra do pronunciamento de Zizek.

Slavoj Zizek

Durante o crash financeiro de 2008, foi destruída mais propriedade privada, ganha com dificuldades, do que se todos nós aqui estivéssemos a destruí-la dia e noite durante semanas. Dizem que somos sonhadores, mas os verdadeiros sonhadores são aqueles que pensam que as coisas podem continuar indefinidamente da mesma forma.

Não somos sonhadores. Somos o despertar de um sonho que está se transformando num pesadelo. Não estamos destruindo coisa alguma. Estamos apenas testemunhando como o sistema está se autodestruindo.

Todos conhecemos a cena clássica do desenho animado: o coiote chega à beira do precipício, e continua a andar, ignorando o fato de que não há nada por baixo dele. Somente quando olha para baixo e toma consciência de que não há nada, cai. É isto que estamos fazendo aqui.

Estamos a dizer aos rapazes de Wall Street: “hey, olhem para baixo!”

Em abril de 2011, o governo chinês proibiu, na TV, nos filmes e em romances, todas as histórias que falassem em realidade alternativa ou viagens no tempo. É um bom sinal para a China. Significa que as pessoas ainda sonham com alternativas, e por isso é preciso proibir este sonho. Aqui, não pensamos em proibições. Porque o sistema dominante tem oprimido até a nossa capacidade de sonhar.

Vejam os filmes a que assistimos o tempo todo. É fácil imaginar o fim do mundo, um asteroide destruir toda a vida e assim por diante. Mas não se pode imaginar o fim do capitalismo. O que estamos, então, a fazer aqui?

Deixem-me contar uma piada maravilhosa dos velhos tempos comunistas. Um fulano da Alemanha Oriental foi mandado para trabalhar na Sibéria. Ele sabia que o seu correio seria lido pelos censores, por isso disse aos amigos: “Vamos estabelecer um código. Se receberem uma carta minha escrita em tinta azul, será verdade o que estiver escrito; se estiver escrita em tinta vermelha, será falso”. Passado um mês, os amigos recebem uma primeira carta toda escrita em tinta azul. Dizia: “Tudo é maravilhoso aqui, as lojas estão cheias de boa comida, os cinemas exibem bons filmes do ocidente, os apartamentos são grandes e luxuosos, a única coisa que não se consegue comprar é tinta vermelha.”

É assim que vivemos – temos todas as liberdades que queremos, mas falta-nos a tinta vermelha, a linguagem para articular a nossa ausência de liberdade. A forma como nos ensinam a falar sobre a guerra, a liberdade, o terrorismo e assim por diante, falsifica a liberdade. E é isso que estamos a fazer aqui: dando tinta vermelha a todos nós.

Existe um perigo. Não nos apaixonemos por nós mesmos. É bom estar aqui, mas lembrem-se, os carnavais são baratos. O que importa é o dia seguinte, quando voltamos à vida normal. Haverá então novas oportunidades? Não quero que se lembrem destes dias assim: “Meu deus, como éramos jovens e foi lindo”.

Lembrem-se que a nossa mensagem principal é: temos de pensar em alternativas. A regra quebrou-se. Não vivemos no melhor mundo possível, mas há um longo caminho pela frente – estamos confrontados com questões realmente difíceis. Sabemos o que não queremos. Mas o que queremos? Que organização social pode substituir o capitalismo? Que tipo de novos líderes queremos?

Lembrem-se, o problema não é a corrupção ou a ganância, o problema é o sistema. Tenham cuidado, não só com os inimigos, mas também com os falsos amigos que já estão trabalhando para diluir este processo, do mesmo modo que quando se toma café sem cafeína, cerveja sem álcool, sorvete sem gordura.

Vão tentar transformar isso num protesto moral sem coração, um processo descafeinado. Mas o motivo de estarmos aqui é que já estamos fartos de um mundo onde se reciclam latas de coca-cola ou se toma um cappuccino italiano no Starbucks, para depois dar 1% às crianças que passam fome e fazer-nos sentir bem com isso. Depois de fazer outsourcing ao trabalho e à tortura, depois de as agências matrimoniais fazerem outsourcing da nossa vida amorosa, permitimos que até o nosso envolvimento político seja alvo de outsourcing. Queremos ele de volta.

Não somos comunistas, se o comunismo significa o sistema que entrou em colapso em 1990. Lembrem-se que hoje os comunistas são os capitalistas mais eficientes e implacáveis. Na China de hoje, temos um capitalismo que é ainda mais dinâmico do que o vosso capitalismo americano. Mas ele não precisa de democracia. O que significa que, quando criticarem o capitalismo, não se deixem chantagear pelos que vos acusam de ser contra a democracia. O casamento entre a democracia e o capitalismo acabou.

A mudança é possível. O que é que consideramos possível hoje? Basta seguir os meios de comunicação. Por um lado, na tecnologia e na sexualidade tudo parece ser possível. É possível viajar para a lua, tornar-se imortal através da biogenética. Pode-se ter sexo com animais ou qualquer outra coisa. Mas olhem para os terrenos da sociedade e da economia. Nestes, quase tudo é considerado impossível. Querem aumentar um pouco os impostos aos ricos? Eles dizem que é impossível. Perdemos competitividade. Querem mais dinheiro para a saúde? Eles dizem que é impossível, isso significaria um Estado totalitário. Algo tem de estar errado num mundo onde vos prometem ser imortais, mas em que não se pode gastar um pouco mais com cuidados de saúde.

Talvez devêssemos definir as nossas prioridades nesta questão. Não queremos um padrão de vida mais alto – queremos um melhor padrão de vida. O único sentido em que somos comunistas é que nos preocupamos com os bens comuns. Os bens comuns da natureza, os bens comuns do que é privatizado pela propriedade intelectual, os bens comuns da biogenética. Por isto e só por isto devemos lutar.

O comunismo falhou totalmente, mas o problema dos bens comuns permanece. Eles dizem-nos que não somos americanos, mas temos de lembrar uma coisa aos fundamentalistas conservadores, que afirmam que eles é que são realmente americanos. O que é o cristianismo? É o Espírito Santo. O que é o Espírito Santo? É uma comunidade igualitária de crentes que estão ligados pelo amor um pelo outro, e que só têm a sua própria liberdade e responsabilidade para este amor. Neste sentido, o Espírito Santo está aqui, agora, e lá em Wall Street estão os pagãos que adoram ídolos blasfemos.

Por isso, do que precisamos é de paciência. A única coisa que eu temo é que algum dia vamos todos voltar para casa, e vamos voltar a encontrar-nos uma vez por ano, para beber cerveja e recordar nostalgicamente como foi bom o tempo que passámos aqui. Prometam que não vai ser assim. Sabem que muitas vezes as pessoas desejam uma coisa, mas realmente não a querem. Não tenham medo de realmente querer o que desejam. Muito obrigado

Tradução de Luis Leiria para o Esquerda.net

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Ocupar Wall Street é um recado dos indignados

Quarta, 12 de outubro de 2011, 08h06
Ocupar Wall Street é um recado dos indignados
Reuters
Manifestantes se preparam para marcha pelo centro financeiro de Nova York nesta terça-feira (11)
Manifestantes se preparam para marcha pelo centro financeiro de Nova York nesta terça-feira (11)

Marcelo Semer
De São Paulo

No filme "Capitalismo: uma história de amor", o cineasta Michael Moore chama a viatura de polícia para denunciar a apropriação de trilhões de dólares do governo pelo sistema financeiro. Sarcástico, envolve a agência de um banco com a faixa amarela de "cena do crime".

"Trabalho Interno", documentário vencedor do Oscar, mostra como gastavam suas fortunas os responsáveis pelas instituições que ao final provocaram o crash: mansões, piscinas, aviões e prostitutas.

Com a economia dos Estados Unidos em franco declínio desde então e com o seu declínio provocando há três anos crises ao redor do mundo, é o caso de concordar com a ativista canadense Naomi Klein em seu emocionado discurso no movimento Ocupe Wall Street: o mundo não devia se perguntar o que vocês fazem aqui, mas porque demoraram tanto?

Desde 17 de setembro, manifestantes ocupam o centro financeiro dos Estados Unidos com o mesmo composto de frustração, espontaneidade e engajamento nas redes sociais que geraram a primavera árabe e os acampados nas praças europeias.

Os indignados, enfim, chegaram ao coração do poder.

Em pouco mais de três semanas, o movimento cresceu e se espalhou a grandes e médias cidades norte-americanas, inclusive a capital.

Parte do expressivo silêncio da mídia nesse tempo pode se explicar pelo compromisso dos manifestantes com a não-violência.

Não houve vitrines quebradas, saques ou incêndios que pudessem provocar comoções em nome da lei e da ordem, que sempre atraem a grande imprensa.

O movimento não tem lastro em partidos, nem propostas formais a serem por eles encaminhadas. Não se dirige a questionar o governo -mas algo que no seu imaginário está muito acima dele, o poder de quem faz a economia.

Por este motivo, não cercam a Casa Branca ou o Congresso -mas Wall Street, onde reside o dinheiro e o 1% que o comanda.

"Nós somos os 99%", dizem os manifestantes. E relatam pelas redes sociais o calvário que a depressão econômica e a falta de esperança têm provocado: perda de emprego, de cobertura de seguro de saúde, crédito educativo e as residências retomadas após a crise.

Em 2008, os financistas finalmente puderam mostrar ao mundo que não havia limites para o próprio enriquecimento sem causa.

No início do movimento, a polícia chegou a prender 700 manifestantes, mesmo sem atos de violência. A Fox News, porta-voz do reacionarismo ianque, equiparou os ocupantes de Wall Street a militantes nazistas. Mas os liames de solidariedade que permeiam a manifestação e seu caráter ao mesmo tempo crítico e apartidário, só fizeram aumentar, com o passar do tempo, as adesões e as simpatias.

Mais do que a crise gerada pela desregulamentação do sistema financeiro, por quem vendeu a ideia de que o mercado sem regras é o melhor controle, a forma de resolvê-la é que revolta o turbilhão de indignados mundo afora.

Quem criou a crise se arroga no direito de ditar suas soluções.

E as lições são simples: dinheiro público aos bancos privados, socializando os gigantescos prejuízos, e cortes de verbas que atingem em chofre a população menos protegida, em empregos, salários, aposentadorias, educação, saúde.

Não há botes para todos no Titanic da economia e os primeiros a se safar do naufrágio são justamente os que o provocaram. Por que, afinal, a injustiça em escala mundial haveria de ficar tanto tempo sem reação?

Ninguém sabe ao certo até onde o movimento pode chegar. Se vai se esgotar no simbolismo ou será o ponto de partida de uma nova governança.

Mas a desconfiança crescente na capacidade de governos e oposições de cuidarem da coisa pública, recolocando o Estado acima do interesse das grandes corporações, é um sinal que os homens do poder não deviam ignorar.

A democracia está se reinventando sem intermediários. Vai sofrer para achar o seu caminho. Mas sofrerão mais os que não perceberem que algo está em transformação.


Marcelo Semer é Juiz de Direito em São Paulo. Foi presidente da Associação Juízes para a Democracia. Coordenador de "Direitos Humanos: essência do Direito do Trabalho" (LTr) e autor de "Crime Impossível" (Malheiros) e do romance "Certas Canções" (7 Letras). Responsável pelo Blog Sem Juízo.

Fale com Marcelo Semer: marcelo_semer@terra.com.br ou siga @marcelo_semer no Twitter

sábado, 8 de outubro de 2011

Steven Paul Jobs: o santo do capital

Fonte: http://www.recantodasletras.com.br/artigos/3264874"

Steven Paul Jobs: o santo do capital

Wilson Correia

A morte colheu Steven Paul Jobs, aos 56 anos de idade, dia 5.10.2011. A mídia fez desse fato em acontecimento global. Pudera: a maçã mordida, peça de crucial simbolismo no Ocidente, está sendo mundialmente degustada imanente em produtos-coleiras, na penca de quinquilharias afins, eufemisticamente chamadas de “Acessórios exclusivos” e que servem para render lucro à corporação jobsniana, o qual, em última instância, resulta da soma de contribuições em dinheiro de cada consumidor.

E os lucros renderam! Jobs vai dessa para outra à revelia de uma fortuna de US$ 6,5 bilhões (US$ 4,4 bilhões da parte que possui da Disney e US$ 2,1 bilhões acumulados na Apple). Milagre do fetiche da mercadoria, essa constatação que nos leva a outra: a racionalidade do sistema capitalista é, deveras, uma quimera. Quantas vidas Jobs e seus familiares teriam que ter para que pudessem desfrutar de toda essa riqueza? A servidão voluntária à lógica da acumulação se justifica, ao passo que fome, miséria e morte por carência econômica grita por distribuição? O apelo egóico, idiota e individualista desse sistema justifica o modelo existencial de vida centrado no solipsismo, quando a dimensão coletiva da vida está aí, pedindo apenas que a enxerguemos?

Jobs foi humano? Demasiadamente humano! Tanto que elegeu a quintessência do personalismo egóico como lastro para as escolhas que fez. E as viveu até o limite da curva natural da existência. No fim dessa curva, deixou algo bem mais intrigante que milhões de dólares: legou-nos a afirmação do estilo existencial que, fincado no ter, é capaz de fazer a “mônada eu” ser catapultada ao reino do super-homem, destinado ao além do bem e do mal socialmente construídos. É o semi-deus capital, esse que as sociedades do consumo e do cidadão reduzido à condição de consumidor possibilita a todos e todas quantos abrem mão da sensibilidade para notar que a vida, para além da idiotia, estende-se para depois do mundo do eu e do meu.

Tempos confusos! “Devemos nos re-situar na pré-história do espírito humano. Estamos num jogo incerto/aleatório do regressivo/progressivo, simultaneamente dentro de revoluções selvagens e regressões bárbaras. Estamos na noite e na neblina, placenta informe, útero onde o sangue que nos nutre se mistura com a imundície” (MORIN, E. ‘Para onde vai o mundo?’. 2. ed. Trad. F. Moras. Petrópolis: Vozes, p. 52).

Não se trata de salvar o mundo. Se só pode existir salvador para o que está perdido e não é essa a tarefa enfocada aqui. A questão relaciona-se à vida humana mesma, onde ela estiver. Reconcebê-la ou deixá-la à mercê de um sistema que nos quer voluntariamente servis a um modo de vida cujo teto é a acumulação para o ter, tornada nova divindade e objeto de pura contemplação?

Do rumo que tomarmos nessa encruzilhada dependem os modelos societários menos irracionais e os estilos de vida mais interessantes. Talvez, nessa encruzilhada, descubramos que o Santo Steven Jobs em nada pode nos ajudar. Jobs se tornou aquilo para o que viveu: propriedade privada, pertença dos sacerdotes do capital. Ele é o hodierno santo protetor do ter. A nós o desafio é mais embaixo: em nossos ouvidos berram as ânsias do ser.

Wilson Correia

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Ocuppy Wall Street!

http://www.youtube.com/watch?v=Xb9mJsiDJ7k&feature=player_embedded

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Todo apoio aos Índios do RS

Fonte : http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po0410201116.htm

Presidente da Funai é mantido refém em reserva indígena

Márcio Meira foi à comunidade no RS para discutir com índios guarani demarcação de terras na região

Segundo Ministério da Justiça, presidente está bem e 'tudo indica que situação se resolverá' de maneira pacífica

Roosewelt Pinheiro -11.ago.09 / Agencia Brasil

Presidente da Funai, Márcio Meira em audiência no Senado

FELIPE BÄCHTOLD
DE PORTO ALEGRE

KÁTIA BRASIL
DE MANAUS

O presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), Márcio Freitas de Meira, foi feito refém e impedido de deixar uma comunidade indígena que visitava ontem na região metropolitana de Porto Alegre (RS).
Meira foi ao Rio Grande do Sul participar de um encontro na reserva Estiva, habitada por guaranis e caingangues em Viamão, cidade vizinha à capital gaúcha.
Os índios discutiram com ele sobre a demarcação de terras na região, mas não chegaram a um acordo e decidiram mantê-lo refém.
A Polícia Federal foi informada sobre o caso na noite de ontem e mandou uma equipe ao local para verificar a situação. Ao menos 200 moradores de origem indígena vivem na região.
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que acompanha o caso, junto à Polícia Federal. A fundação é subordinada à pasta.
"Tudo indica que a situação se resolverá pacificamente, segundo informações da própria assessoria da Funai."
A Funai informou ao ministro que Meira está bem e que os índios pediram a presença de veículos de comunicação no local para soltá-lo.
Ele é presidente do órgão desde 2007. Paraense, trabalhou na demarcação de terras indígenas e foi secretário de Patrimônio no Ministério da Cultura.

CARTA ABERTA
O Cimi (Conselho Indigenista Missionário), órgão ligado à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), divulgou ontem uma "carta aberta" de líderes guaranis da aldeia Estiva.
Na carta, eles reclamam da suposta falta de políticas públicas e da situação de miséria que vivem. Dizem ainda que Meira é mantido refém pacificamente.
Os índios afirmam que não estão praticando um ato de violência, mas de "repúdio", com o qual pretendem "dar visibilidade à gravíssima condição social que vivemos no Brasil".
"Nossas crianças passam fome, e não têm perspectivas de futuro; nossas comunidades estão na mais plena invisibilidade, sem perspectivas de acesso ao mercado de trabalho e sem as mínimas condições de alcançar uma condição de vida minimamente digna", diz a carta.
No texto, os líderes indígenas reivindicam "uma política justa" de demarcação de terras, além de políticas de habitação, saúde, educação e agricultura familiar.

Colaborou SÍLVIA FREIRE, de São Paulo, e a Sucursal de Brasília

domingo, 2 de outubro de 2011

Verdade e Justiça para Quem?

fonte: http://www.brasildefato.com.br/node/6877

Verdade e Justiça para Quem
Análise
A Comissão da Verdade e Justiça não pode, pois, ter medo de dizer que possui o direito e o dever de revisar a história.



19/07/2011

Coletivo político Quem



“Quem sabe se não me cabe, mesmo, o papel desagradável de remexer nas cinzas e de levar até o fim o combate à ditadura, para que ela seja exterminada em seu último e surpreendente refúgio, o da 'transição democrática'?". Quem sabe! Essa desagradável tarefa não é apenas a do sociólogo Florestan Fernandes, mas é a tarefa de Quem.

A ideia da reconciliação nacional aparece dentre os objetivos do projeto de lei que cria a Comissão Nacional da Verdade, sendo substituída pela expressão consolidação da democracia na importantíssima emenda que será proposta pela deputada Luíza Erundina. No entanto, as duas redações não apontam para o horizonte político que deve envolver o debate sobre a Comissão da Verdade e Justiça por sustentarem uma mistificação: a de que já haveria no Brasil uma verdadeira democracia, para cuja completa consolidação apenas alguns passos faltariam.

Quem quer combater a ditadura e o que resta dela precisa ter coragem para colocar em questão o mito da democracia brasileira. Não nos enganemos, advertia Florestan Fernandes, "a democracia burguesa é, em si e por si mesma, uma mistificação: em nome da liberdade, ela cassa a liberdade dos trabalhadores; em nome da igualdade dos cidadãos, impõe a supremacia social da burguesia; em nome da representação, consagra o monopólio do poder pelas elites dirigentes das classes dominantes".

Afinal, Quem diz que a democracia já é uma realidade sugere que o futuro chegou, que o bonde da história estacionou em sua parada final: a democracia brasileira. Mas isso só pode interessar a Quem quer abafar o clamor expectante daqueles setores oprimidos da sociedade civil que, desde a década de 1930, ampliavam seu coro por uma revolução brasileira. Se a ditadura civil-militar veio para garantir o fracasso de uma tentativa de reestruturar o regime de produção sobre novas bases, a democracia que a sucedeu não passa da mais bem acabada forma de realização deste mesmo objetivo. Quem são esses que nunca deixaram o poder, e que negociaram entre si a reconciliação? Quem torturou, Quem matou, Quem ocultou cadáveres? A consolidação deste tipo de regime democrático interessa a Quem.

A fim de que as atrocidades cometidas no passado não se repitam, é essencial a criação de uma Comissão da Verdade e Justiça. O mínimo que se espera deste trabalho é que ele seja capaz de, por um lado, averiguar as violações de direitos humanos e apurar as responsabilidades dos perpetradores de crimes de lesa-humanidade e, por outro, desvelar a cadeia de repressão e a imbricada máquina de destruição arquitetada pelo regime autoritário. Mas há um outro passo ainda mais fundamental.

Para além de discutir a violação dos direitos humanos, a Comissão deve resgatar a memória dos afetados como sujeitos históricos portadores de projetos políticos, e, sobretudo, explicitar a complexa rede de interesses de classe então existentes. Se é preciso dizer claramente Quem torturou, também devemos dar nome a Quem publicou e continua publicando jornais que colaboraram com o regime, que emprestaram seus carros para levar presos políticos a celas de tortura. Deve ser dito Quem matou, mas também Quem governou e continua governando. É preciso dizer Quem ocultou cadáveres, mas também Quem lucrou e continua lucrando com a manutenção da ordem econômica garantida no passado pelo chumbo das Forças Armadas e, no presente, pelas balas verdadeiras ou de borracha de uma polícia, não por acaso, militar.

A Comissão da Verdade e Justiça deve ser capaz de exigir o deslocamento da discussão dos efeitos para a causa, da tortura para a vontade que a motiva, dos direitos humanos para a estrutura do Estado e da sociedade. Quem silencia um discurso não o faz somente escondendo da sociedade documentos oficiais, eternamente sigilosos. Toda censura exige a ção de uma nova versão dos fatos que finge desvelar uma verdade, porque não há melhor mordaça do que a cooptação da testemunha. A Comissão da Verdade e Justiça não pode, pois, ter medo de dizer que possui o direito e o dever de revisar a história.

A verdade não repousa nos fatos à espera da sua pacífica descoberta; tampouco a história é o tempo do desvelamento progressivo da verdade. Verdade e história não são nada além do dito de Quem ganha uma luta: a luta de classes.

sábado, 1 de outubro de 2011

A filosofia, por trás do movimento "Ocupar Wall Street"

A filosofia, por trás do movimento "Ocupar Wall Street"

Por Vijay Prashad 27/09/2011 às 09:56

Assista ao vivo tudo que se passa por lá:

http://www.livestream.com/globalrevolution

https://occupywallst.org/

26/9/2011, Vijay Prashad, Counterpunch
The Philosophy Behind "Occupy Wall Street" http://www.counterpunch.org/2011/09/26/the-philosophy-behind-occupy-wall-street/
Traduzido pelo Coletivo da Vila Vudu
Acompanhe por vídeos e comentários em: OccupyWallStreet https://occupywallst.org/
Acompanhe pelo Twitter http://twitter.com/#!/search?q=%23OccupyWallStreet

"É possível que os especuladores não façam tanto mal quanto as bolhas. Mas a posição é séria quando a empresa vira uma bolha, no redemoinho da especulação. Quando o desenvolvimento das atividades de um país vira subproduto das atividades de um cassino, o trabalho provavelmente será mal-feito". (John Maynard Keynes, 1936.)

As análises do Relatório sobre Estabilidade Financeira Global do Fundo Monetário Internacional (REFG-FMI) são sempre muito sóbrias. O Relatório distribuído dia 21/9 passado avisa que a economia mundial está entrando em "uma zona de perigo". O FMI rebaixa o crescimento estimado global, de patamar já baixo de 4,3%, para 4%, com o crescimento dos EUA cortado, de 2,7% para 1,8%. "Pela primeira vez desde outubro de 2008, no REFG-FMI, aumentaram os riscos para a estabilidade financeira global, o que assinala reversão parcial no progresso alcançado nos três anos anteriores." [1] Em outras palavras, todas as medidas tomadas para estancar a hemorragia provocada pela crise do crédito global de 2008 em diante já deram o que podiam dar. E estamos de volta ao dia em que se fecharam as cortinas de Lehman.

O FMI não podia ignorar a continuada crise política e econômica que sacode sem parar a eurozona, nem fingir que o crédito dos EUA não foi rebaixado. Nem, de fato, poderia fazer-se de cego para a turbulência dos mercados financeiros (...). Três processos obrigaram o FMI a ser mais atento: primeiro, os EUA terem-se mostrado incapazes de dar conta do trauma agudo no mercado imobiliário de moradias; segundo, os bancos europeus, que estão em curva de retroalimentação adversa entre as obrigações a pagar no "Club Med" (de Portugal à Grécia) e as próprias reservas; e, terceiro, as baixas taxas de juros que espantaram a finança privada, da luz do dia, para os calabouços sombrios e furtivos do sistema bancário (fundos hedge e tal).

Ambos, Olivier Blanchard, economista-chefe do FMI, e José Viñals, conselheiro financeiro do Departamento de Mercados Financeiros e Monetários do FMI, pareciam mais nervosos que o usual. Viñals sabe dos riscos na eurozona. Foi vice-presidente do Banco da Espanha, cujas reservas financeiras estão em estado tão lamentável quanto as reservas de água da Cidade da Sujeira do filme Rango (2011 ) [2].

O mantra do mundo atlântico tem sido "austeridade". Assume-se que, se os orçamentos dos governos forem purgados dos gastos de interesse social para preservar o equilíbrio, daí advirá o crescimento. Estranha economia. Problema crônico é a falta de demanda efetiva ("confiança do consumidor"), que é indexada, nos EUA a salários rebaixados com transfusões eventuais de "confiança" produzida por crédito barato que criou, como bolha que ainda não explodiu, o endividamento pessoal; em maio de 2011, chegava a $2,4 trilhões. Os cortes massivos no gasto do governo só farão encolher a demanda ainda mais, e não produzirão qualquer esperança de crescimento no curto prazo. Programas de austeridade nem sempre fazem aumentar a confiança dos consumidores, mas sempre fazem aumentar a confiança entre os financistas que amam a ideia de "finanças sólidas".

O FMI identifica o problema com uma mão e, em seguida, enfia a outra mão no moedor de carne: a atual crise não pode ser resolvida, até que se administrem as dificuldades políticas. Os "líderes políticos nessas economias avançadas ainda não conseguiram mobilizar suficiente apoio político para implantar políticas suficientemente fortes de estabilização macrofinanceira." As ferramentas financeiras e monetárias estão pressionadas. Faz falta estratégia de comunicação mais efetiva, para convencer o público a alinhar-se a favor de medidas de austeridade para dar solidez à finança; para isso, é preciso fazer baixar a retórica ideológica que afasta as pessoas do que o FMI entende que seja uma Razão apolítica. Mas a massa ignara não conhece a razão.

O que nem o FMI nem os governos do mundo Atlântico conseguem perceber, por razões políticas, é o poder de classe do capital financeiro, que controla os mercados monetários aos quais os governos e o FMI têm de recorrer para tomar empréstimos, se querem estimular gastos ou emprestar a países em dificuldades. A confiança dos financistas é emoção muito mais importante que a confiança dos consumidores.

Em tempo de crise, a abordagem humana deveria ser ampliar os estímulos ao consumo até o momento em que milhões de pessoas consigam sair da condição de vida nua. Para fazêlo, os governos devem desejar, nas palavras do economista Prabhat Patnaik, "exercer adequado controle sobre o sistema financeiro para garantir que os empréstimos às pessoas sejam sempre financiados, de modo a que o Estado não se torne prisioneiro dos caprichos dos financistas."

O debate entre austeridade e estímulos é conduzido como se se travasse entre dois conjuntos racionais de pessoas. Os que clamam por austeridade são agentes dos grupos financistas, para os quais é pecado ver diminuir a própria riqueza; os que clamam por estímulos são eticamente corretos, mas não movem ataque de classe direto aos financistas, deixando-se navegar em ilusões. A única solução real para a crise do Atlântico Norte é, como receitou John Maynard Keynes, fazer "a eutanásia do rentista".

É esse impulso para desafiar diretamente Wall Street que mostra o quanto é razoável e necessário o movimento "Occupy Wall Street" http://www.huffingtonpost.com/2011/09/21/occupy-wall-street-protest_n_974693.html [imagens e filmes] e "Occupy Wall Street Protest" http://www.huffingtonpost.com/2011/09/24/occupy-wall-street-protes_n_979367.html [também imagens e filmes], protesto que agita lower Manhattan (bem perto de onde George Washington foi empossado presidente).

Os cidadãos que decidiram acampar permanentemente e não deixar suas tendas, e que estão sendo brutalmente atacados e agredidos pela Polícia de NY, encontraram instintivamente solução muito melhor para o país, que:

(1) os que insistem em exigir "mais austeridade" (como os Republicanos mais conservadores - e, no Brasil, todos os jornais e jornalistas e especialistas de todos os canais de televisão, sem faltar um); e
(2) muito melhor, também que os que clamam por "estímulos" sem jamais desafiar os mandarins das finanças, os quais mais facilmente mandarão a economia dos EUA p?rô brejo, do que admitirão perder o poder que têm sobre o sistema econômico mundial (Obama, dentre outros).

Sem luta contra o capital financeiro, ordenar "austeridade" é ato de crueldade; e ordenar estímulos é ilusão.

O FMI e os políticos norte-americanos não querem desafiar a classe financeira. De fato, o FMI até alerta contra qualquer "repressão financeira" ("Com os estados sob estresse financeiro e as economias lutando para se desalavancar, os políticos podem ser tentados a suprimir ou tentar escapar aos processos e informações do mercado financeiro.") Deve-se evitar tudo isso, diz o FMI. Querem que a salvação lhes venha de países do Sul Global, os quais, diz o FMI, "estão em fase mais avançada do ciclo de crédito". O FMI adoraria que China e Índia entregassem seus superávits ao Norte, como estímulo... Seria via excelente para que aqueles países passassem a exportar menos e a importar mais.

O mais estranho nisso tudo é que o FMI também agia como espada do capital internacional quando advogou que Índia e China se tornassem economias orientadas para exportar e dessem as costas às políticas nacional-desenvolvimentistas. Agora, a China está pronta para exportar bens de baixo custo para as economias atlânticas... E então, em vez de recomendar que China e Índia usem seus superávits como estímulos para criar demanda em seus próprios países (para arrancar suas populações mais rapidamente da miséria, investindo em infraestrutura, criando meios para prevenir catástrofes ecológicas)... O FMI prescreve que China e Índia resolvam "os desequilíbrios financeiros" mandando seus superávits para o Norte! Por que o FMI não recomendou que o Norte tomasse essas medidas, nos anos 1980s e 1990s, quando as flechas financeiras estavam miradas na direção do Sul?

Os chineses dizem agora que podem ajudar a resgatar a eurozona, se a Europa atender a algumas "condições" que os chineses imporão (na linguagem do FMI, na era dos "ajustes estruturais", essas condições chamavam-se "condicionalidades", como cortar todos os investimentos de caráter humano e social, nos anos 1980s, como precondição para receber empréstimos).

Os chineses querem que os europeus acabem com processos por desobediência a leis de mercado - que é outro modo de dizer que os chineses querem morder fundo na carne do regime de propriedade intelectual - um dos últimos mecanismos ainda restantes que garantem o crescimento sem empregos que ainda mantém os EUA à tona. Mas por que, agora, a China não estaria fazendo certo? Diz o FMI que a China, agora, não está fazendo certo, por causa de seu "boom de empréstimos induzidos pela política", também chamado de "plano de estímulos de 2009-10" ? e que foi construído e aplicado sem qualquer influência dominante do capital financeiro.

É muito mais fácil mostrar os chineses como agentes do mal, do que apontar o dedo aos financistas. Toda a conversa sobre revalorização da moeda e barreira ao livre comércio não passa de conversa fiada, de quem não tem argumento a oferecer.

Lá, em Wall Street, Manhattan, norte-americanos comuns decidiram enfrentar, de vez, o capital financeiro. Não precisam recorrer à xenofobia "econômica", nem se escravizar a ilusões de que os warrenbuffets do mundo seriam a vanguarda da luta por justiça social. Querem é tirar, do pescoço dos povos do mundo, a botina-tacão das finanças.


Notas dos tradutores
[1] 21/9/2011, Guardian, UK. http://www.guardian.co.uk/business/2011/sep/21/imf-debt-crisis
[2] Para uma visita virtual, ver Wall Street Journal, 26/9/2011 http://online.wsj.com/video/a-virtual-tour-rango-town-of-dirt/A1DEF9EB-EC43-49C8-B7C0-B7F77D4FD858.html

URL:: http://redecastorphoto.blogspot.com/2011/09/filosofia-por-tras-do-movimento-ocupar.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+redecastorph

Sempre mais do mesmo... A saga continua.

Demora do STF pode livrar Maluf de punição
Agência EstadoPor AE | Agência Estado – 2 horas 59 minutos atrás

Pelo histórico do Supremo Tribunal Federal, o deputado Paulo Maluf (PP-SP), de 80 anos, deve se livrar do processo criminal aberto anteontem pela Corte por suspeitas de que ele tenha cometido o crime de lavagem de dinheiro junto com a mulher, Sylvia, quatro filhos e outros dois parentes.

O tribunal costuma demorar anos para julgar uma ação desse tipo. Parte dos ministros entende que o crime prescreverá em 2014. Depois disso, se não forem julgados, Maluf e família saem impunes.

Além da demora tradicional do STF para analisar ações penais, há ministros que já têm dúvidas sobre se ainda é possível processar e punir o casal Maluf pelo crime de lavagem de recursos supostamente desviados de obras públicas na época em que o deputado administrava a cidade de São Paulo. O prejuízo ao erário teria sido de cerca de US$ 1 bilhão, de acordo com o ministro Ricardo Lewandowski, relator do processo.

Único a votar contra a abertura da ação, Marco Aurélio Mello argumentou que já teria ocorrido a prescrição no caso de Maluf e Sylvia, que têm mais de 70 anos - eles são beneficiados por uma legislação que divide pela metade o tempo de prescrição nessas situações. Outros dois ministros, Dias Toffoli e Cezar Peluso, adiantaram que quando o tribunal julgar o processo para decidir se os réus serão punidos eles analisarão o assunto.

Mas Lewandowski sustenta que o crime se prolongou até 2006, quando autoridades tiveram conhecimento amplo sobre a existência dos recursos no exterior. Para ele, a prescrição em relação ao casal Maluf ocorreria em maio de 2014. Com a abertura da ação, a contagem do prazo voltaria à estaca zero e não haveria risco de prescrição a curto prazo. A maioria dos ministros seguiu o voto do relator, a denúncia foi recebida e o inquérito foi transformado em processo criminal.

Se no julgamento do processo, cuja data não está marcada, a maioria dos ministros concluir que ocorreu a prescrição, Maluf e Sylvia estarão livres do risco de serem condenados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.